12 de março de 2012

terra molhada

quando me olho no espelho
o sorriso da minha filha
não atenua as rugas
em meu rosto
nem me devolve
a ternura que me acompanhou
desde criança

hoje tudo é muito longe
e mais distante
o horário de verão
faz o amanhecer demorar
e o anoitecer chegar mais tarde

lá fora chove e chove mais
os últimos pássaros cantam
a tarde quente e ensolarada
a rua asfaltada deixa a água
descer pelo bueiro
e eu não sinto o cheiro de terra molhada
que embalou a minha infância

1 comentários:

MIRZE disse...

Lindo, Mauro!

É realmente uma delícia o cheiro de terra molhada. Parece que nesse olfato sentimos mais apego à ela.

Beijos

Mirze